sexta-feira, 8 de abril de 2011

O sono ou a falta dele


Esse é o único ponto que realmente sinto saudades da época em que não tinha filho. Como é bom dormir aquele sono profundo e não ter hora para acordar no final de semana! Quem sabe um dia poderei novamente acordar domingo lá pelas 10 ou 11 horas da manhã... que sonho!
Depois que a gente tem filho parece que acende um botão interno (SEMPRE ALERTA). Então, mesmo quando o bebê dorme, a gente não dorme direito. É aquele sono leve que não te faz descansar realmente. Aliás, quando a gente consegue dormir 4 horas seguidas, já nos damos por satisfeitas.
O sono noturno e as sonecas do Henrique tiveram um ritmo bem normal. Apesar de achar que ele dormia pouco, hoje percebo que estava bem dentro da normalidade. É que tantas mães me falavam que o bebê dormia a noite toda já com 5 meses e tiravam sonecas de 2 horas durante o dia que eu achava que o Henrique era fora do normal. E quando alguém me perguntava se ele já dormia a noite toda, eu me cobrava e cobrava o Henrique. Também tinham os livros que li sobre a rotina do bebê que me deixaram um pouco frustrada porque o Henrique se recusava a seguir. Hoje percebo claramente que, como em todo o desenvolvimento, eu tinha que respeitar o ritmo do Henrique e quando ele estivesse pronto, dormiria bem, tanto de dia, como de noite.
Quando eu estava grávida li o livro “Os Segredos de uma Encantadora de Bebês” que é muito bom. Ele explica sobre como é importante ter uma rotina para o bebê porque ele se sente seguro se seguimos sempre a mesma ordem das coisas. Mas o problema é que eu incorporei tudo aquilo como verdade sem respeitar e aceitar o ritmo individual.
Então o livro dizia que a rotina tinha que ser sempre de três em três horas: alimentação, atividade, sono e tempo para você. Você alimenta o bebê assim que ele acorda porque ele está com fome, aí segue a atividade (brincar um pouco, dar banho, trocar fralda), depois ele começa a ficar cansado de novo e você desacelera para colocar ele para dormir. E ele deve dormir de 1 hora a 2 horas até o próximo ciclo. Esse seria o tempo que você tem “livre” até a próxima jornada.
O problema é que o Henrique só dormia 30 minutos. Parecia que ele tinha um relógio interno. O que eu faria então para “enrolar” ele até dar as 3 horas? Se eu adiantasse as mamadas, seria pior. Sem falar no meu “suposto tempo livre”, mal dava tempo de tomar um banho...
Foi quando voltei no livro e procurei: “Se o seu bebê não dorme”. Descartando as hipóteses de dor ou desconforto, como cólica e gazes, ela dizia que o bebê estava superestimulado. E que a gente tem que ensinar ele a desacelerar e insistir no sono até ele aprender que tinha que dormir mais. Aí eu pegava o Henrique no colo, balançava, fazia aquele chiado baixinho, enrolava na manta, e balançava, balançava, até que... ele ficava mais irritado ainda e aí que não queria dormir mesmo. Fui ficando muito frustrada. Parecia que a culpa era minha porque eu não conseguia ensinar o Henrique a dormir. Até dei ordem para não tocar a campainha, ou o telefone, ou ligar a televisão, ou abrir as cortinas de casa, ou bater as portas ou fazer qualquer barulho em casa para ver se ele dormia mais. Confesso que fiquei mesmo um pouco neurótica. Mas não tinha jeito.
Foi assim até ele completar uns 8 meses, quando passou a fazer apenas 2 sonecas de 1 hora cada. Depois com pouco mais de 1 ano ele começou a tirar uma soneca maravilhosa de 2 horas. Fiquei no céu de tanta felicidade!!!
Então descartei essa parte do livro que temos que ensinar o bebê a dormir, ele dorme se quiser e estiver cansado. Lógico que sigo mais ou menos uma rotina até hoje de colocá-lo para dormir depois do banho da manhã, antes do almoço, mas não forço mais, nem fico chateada se ele não dormir. Também não é um horário rígido como eu achava que tinha que ser. Observo um pouco o cansaço. Se ele não dormir dou o almoço e o coloco para dormir logo depois. Ou então às vezes apelo para um suco na mamadeira, golpe baixo mesmo que não vai durar para sempre (mas depois eu penso nisso).
Quanto ao sono noturno, finalmente hoje, com 1 ano e 9 meses, ele começou a dormir a noite toda!!! Lógico que pode haver imprevistos, doenças, dente nascendo ou algum desconforto, ou pesadelo, ou até saudade dos pais, mas no geral ele dorme de 21 horas até às 6 horas da manhã. Já estamos no lucro quando vai até seis e meia.
Pois é, assim como esperei ansiosamente por ele dormir a noite toda, estou esperando o dia em que ele vai acordar só às oito ou nove horas da manhã, quem sabe na adolescência...
Mas asseguro que vale a pena ler o livro com essa ressalva que agora tenho para tudo que leio sobre maternidade e educação de filhos: algumas coisas a gente aproveita, outras não.
Na época em que o Henrique acordava de madrugada, não consegui deixar ele chorar, como alguns ensinam. Acho de partir o coração. Se ele acorda e chora, acho que é por algum motivo. Não acho que devemos ignorar o choro. Mas respeito todas as opiniões. Se funcionou bem para quem tentou, acho que é válido. O importante é bebê, mamãe e papai felizes e equilibrados. Também não condeno quem coloca para dormir na cama dos pais, se funciona assim e o casal não se incomoda. Aliás, depois de ser mãe, eu não condeno mais nada. Tenho é muito pena dos pais que tentam de tudo para conseguir um pouco de sossego e sanidade mental. Não tem nenhum hábito ou mania que dure para sempre. Tudo sempre está em constante mudança.

6 comentários:

Renata disse...

Telma, como já diria o nome do seu blog: maternidade na medida certa! Texto ótimo, de muito bom senso. A última frase resume bem o dia-dia (nosso e do bebê): constante mudança. Parabéns.

Um abraço,

Renata

mariavitoriafbr disse...

Querida Telma, você está se tornando sábia.Não condenar nada e perceber que tudo muda, coisas aparentemente simples, mas que alguns não conseguem. Descobriu cedo um bom senso para encarar a vida e a maternidade que merece parabéns.

Telma disse...

Queridas, obrigada pela participação e voltem sempre! Constante mudança parece ser simples, mas às vezes demoramos a perceber que é só uma fase que vai melhorar. Beijos, Telma.

Juliani de Paula disse...

Oi Telma!
Gostei muito do seu blog!
Realmente tem coisas que só dão certo na teoria, e cada bebê e cada família são únicas!!!

Bejos

Gleysa Lopes disse...

Adorei o sua postagem, meu maior sonho tb e que o meu bebe durma a noite inteira, tb li este livro, e eu tb fiquei mto frustada com a historia dele não tirar a soneca de 1 a 2 horas, o meu Heitor só dorme uns 30 no máximo 40 minutos, mas como vc percebi que é algo da personalidade dele, não adianta força!!! E sobre o que vc comentou o que sente saudades antes da gravidez e a pura verdade, nunca mais o sono e o mesmo, sempre escutei isso e na entendia antes, hj entendo igual vc disse sempre alerta...srsrs
bjs

Telma disse...

Olá Gleysa! Seja bem-vinda! Garanto que com 2 anos melhora muito! O nosso sono fica muito prejudicado principalmente por causa do hormônio da amamentação . Depois melhora um pouco. Dormir pesado mesmo só quando o Henrique dorme fora da casa, lá na vovó. Beijos.