domingo, 12 de junho de 2011

Quentão, canjica e muita alegria!


Em Brasília, as festas juninas são uma tradição, provavelmente porque tivemos uma grande influência da cultura nordestina. Adoro essa temporada das festas juninas! Aquele friozinho gostoso, quentão de vinho para esquentar, músicas alegres, roupas de caipira, quadrilha e, principalmente, as comidas típicas! Hum, gosto de tudo, salsichão, galinhada, caldos, canjica, curau, pamonha, bolo de milho, paçoquinha... Tudo isso me dá água na boca! Amo canjica (no nordeste é mugunzá). Não sei por que só fazemos nessa época do ano...
Como adoro as festas juninas, fiz uma breve pesquisa para falar um pouco sobre a tradição. Descobri que o período não começa no início do mês, mas somente a partir do dia 12 de junho, véspera do dia de Santo Antônio (13 de junho), e encerra no dia 29 de junho (Dia de São Pedro), lembrando que o dia marcante é 24 de junho (Dia de São João). Mas, aqui em Brasília, as pessoas gostam tanto que as festas já começam no início de junho e se estendem até julho (“festas julinas”). E as festas são muito boas!
A tradição de comemorar as festas juninas veio dos países europeus cristianizados, e os portugueses foram os responsáveis por trazê-la ao Brasil. Por isso, ouvimos aquelas palavras diferentes na quadrilha (anarriê, balancê, tour,...), que são de origem francesa.
Na verdade, os pagãos já praticavam, há muito tempo, cerimônias em volta de fogueiras para agradecer aos deuses as boas colheitas. Os cristãos adaptaram as festas pagãs para festejar as datas dos santos católicos. Assim, surgiram as primeiras quermesses com o objetivo de vender alimentos e artesanatos para arrecadar verbas para as benfeitorias da Igreja.
As bandeirinhas surgiram porque os três santos homenageados nas festas tinham suas imagens pregadas em bandeiras coloridas e imersas em água. Era a famosa lavagem dos santos. Acreditava-se que a imagem do santo purificava a água e, assim, as pessoas se molhavam para serem purificadas. Com o passar dos anos, as bandeiras foram substituídas pelas bandeirinhas menores, com o mesmo significado de purificar o ambiente da festa.
O casamento caipira surgiu como uma chacota ao casamento clássico. Por isso, a noiva aparece grávida e o pai obriga o moço a assumir a responsabilidade, fazendo-o casar com a espingarda apontada para a cabeça. O noivo tenta fugir, mas é preso pelo delegado, que o obriga a casar com a noiva. Após o enlace, os noivos puxam a dança da quadrilha.
A quadrilha é uma dança em compasso, na qual os pares se situam frente a frente. Originou-se na Inglaterra, nos séculos XIII e XIV. Após a Guerra dos Cem Anos, a França incorporou a tradição, tornando-se uma dança nobre (“quadrille”). Os vestidos lindos e rodados representavam a riqueza da Corte.
A fogueira, além de aquecer, é um símbolo de reunião entre amigos e familiares. Também representa proteção contra espíritos maus, purificação e agradecimento.
Os balões significam oferendas enviadas aos céus em agradecimento aos pedidos realizados.
Os fogos de artifício servem para espantar os maus espíritos e acordar São João para a festa.
E a marcação da quadrilha é muito divertida:
Vamos entrando - cavalheiros cumprimentam as damas - damas cumprimentam os cavalheiros - balancê - começa o passeio - grande roda - damas ao centro - cavalheiros procuram suas damas - caracol - caminho da roça - olha a chuva! - é mentira! - olha a cobra! - já mataram! - continua o passeio - travessia de damas - preparar o galope - olha o túnel! - agora, a despedida!
No ano passado, dancei a quadrilha com o Henrique no colo na festa junina do berçário. Ele adorou a bagunça! Esse ano, na festa junina da escolinha, as crianças entraram com as professoras para a apresentação de cada turminha. O ginásio estava lotado de pais orgulhosos. O Henrique não quis dançar, assustou com a quantidade de pessoas e começou a chorar... Engraçado que na festa da páscoa ele foi o primeiro a entrar, bem desinibido, ria para todo mundo. Difícil entender as crianças...
Para terminar, segue uma foto do meu caipira, no ano passado na festa do berçário. E vocês, também gostam de festas juninas? Nas cidades de vocês também existe a tradição?

E a foto da festa junina na escolinha este ano:


Por falar em santos, vocês sabiam que em quase todo o mundo o Dia dos Namorados é comemorado no dia 14 de fevereiro (Dia de São Valentim), mas no Brasil comemoramos no dia 12 de junho porque é véspera do Dia de Santo Antônio, que é o santo casamenteiro?!
Espero que vocês tenham conseguido comemorar o dia. Difícil, depois de ter filhos, encontrar uma "alma caridosa" (e sem namorado) que possa ficar com nossos filhos para que a gente possa passar um dia romântico. Sem dúvida a data é muito importante para não esquecermos que somos pais, mas que não deixamos de ser namorados! Não somente nesse dia, cultivar o casal e os momentos a dois, mesmo que sejam raros, é imprescindível! Nosso Dia dos Namorados foi a três. O importante é que continuamos nos amando muito, e agora o amor ainda é mais forte porque somos uma família!

11 comentários:

Natália a mãe disse...

Lindooooo! E esse friozinho deixa td muito mais romantico...não é?
Beijos

Chama a mamãe disse...

Eu tb gosto de festa junina, por conta das comidas gostosas, só não gosto do frio...heheh
O Henrique ficou lindo de caipirinha...ehehehhe
Não vejo a hora de arrumar a minha caipirinha.
Bjos querida

Fabrisia Garcia disse...

Que coisa mais linda esse caipirinha! Fofo demais! Parabéns!
Beijos

Simone disse...

Oi!! Concordo com os comentários acima: o Henrique ficou lindo de caipira!! Meu dia dos namorados tb foi a tres...e foi ótimo!! Mudando de assunto, kd a foto dos cabelos novos?? Bjs!

Angi disse...

Oiii
adoreii!
ADORO FESTA JUNINA, mas aqui é prenda e gaúcho e não caipinrinhas, mas é legal igual, tem muita música, comidas boas, e mto mais!
Ah,como Antônio nasceu em junho, ainda faremos uma festa de niver sendo uma festa junina, com quermese, pescaria!rs
BEIJÃO QUERIDONA

Mon Maternité disse...

Ô cumadi, que caipirinha mais lindo!!! Que delicia!!! Adoooro festas juninas ... a da Sophia será julina!

Tem selinho prô cê!
Beijos, Má
www.monmaternite.blogspot.com

Chama a mamãe disse...

Telma,
Dei boas risadas com o desfecho do seu dia dos namorados....ahahhaah
Como o nosso tb foi a três, pensei tb que a comemoração iria rolar ontem, mas não teve jeito amiga, Dona Eloise nos enrrolou e durmimos todos juntos outra vez, heheehhe
Bjos

Chama a mamãe disse...

Amigaaa,
Tem selinho lá no blog para você!!!!!!
Bjinhus

Laura Degani disse...

Adorei as curiosidades sobre a festa junina! Para mim foi quase tudo novidade! Vc sabia que de acordo com o dia do santo em que se faz a festa muda a forma da fogueira? Beijos

Conceição Reis disse...

Telma, não havia visto ainda o Henrique de caipirinha. Que coisa mais linda da vovó! este garoto se puxar o papai e a mamãe vai dar um bom festeiro junino.Muito lindinho com sua daminha. BJ

Anônimo disse...

"Terma",
Suncê sabia que a dança da quadria se originou do minuetto? Vários paços da dança são uma espécie de "prágio". O cumprimento, por exempro, aquele "túner" que os casal faz pra passar por baixo, é tudo passo das dama e dos cavalero da nobreza.
E as roupa era as mió, pra parecê gente rica!
A avacalhação começou bem depois. Quadria era a dança chique dos pobre, viu?

Viram, mães recentes, "O Brog da Terma tumém é curtura!"

Beijos da irmã que nem "anarriê" não canta mais.

"Amo!"