segunda-feira, 20 de junho de 2011

De repente o bebê virou rapaz!


Parece que anteontem eu estava grávida e que ontem o Henrique ainda era um bebê. Mas os meses passaram rápido e agora tenho um rapaz de 2 anos! Desde bebê ele sempre foi muito esperto e alegre. Mesmo antes de falar, sempre se comunicava com os olhos e o sorriso (também com o choro, claro). Quando algo o desagrada, sai de baixo! E ele é tão sedutor que é difícil repreender... Ele também é muito carinhoso e sensível. Gosta de beijo, abraço, colo e também adora chamar a nossa atenção. Faz de tudo para conquistar todos e arrancar um sorriso!
Esses dois primeiros anos são muito importantes para o desenvolvimento da criança. Ela descobre e aprende tudo muito rápido. Mesmo sem se expressar verbalmente, registra todas as informações na cabecinha até que, com dois aninhos, essas informações se organizam e você percebe que tem em casa uma "mini cabeça pensante"!
O desenvolvimento da fala também é bem interessante. O Henrique não falava quase nada, mas entendia tudo. De repente, com 1 ano e 11 meses, parece que ele engoliu um gravador! Começou a falar tudo de uma hora para outra! Às vezes, a gente até se espanta com o que ele diz!
Confesso que sinto saudades da época em que o Henrique ainda era bebê. Olho sempre as fotos e percebo como a vida passa rápido... A gente se esforça tanto para acompanhar tudo, mas sempre fica uma sensação de que poderia ter aproveitado um pouco mais... Queria ter trabalhado menos, brincado mais, ter levado ele ao parquinho todos os dias, o beijado ainda mais. Se pudesse, eu gostaria de congelar esses primeiros anos e registrar com detalhes tudo na minha memória para não esquecer nenhuma palavra, nenhuma gracinha, nenhum abraço, nenhuma brincadeira. Mas acho que nunca seria suficiente para matar a vontade.
Esses dias eu estava conversando com minha irmã sobre o Henrique, como ele está tão rapazinho. Estávamos olhando o álbum do aniversário de 1 aninho e observando as diferenças. Cadê o meu bebê? Fiquei feliz e triste... Por que tem que passar tão rápido? Minha irmã, então, falou: “Pois é, não tem mais bebê nessa casa, precisa arrumar outro!” Sinto muitas saudades, é verdade. Mas não é de bebê, é do meu bebê Henrique!
Tenho lido bastante sobre essa fase fantástica dos 2 anos. Os psicólogos orientam os pais a começarem a tratar o filho como criança, e não mais como bebê. Nessa fase, a criança já começa a distinguir o certo do errado, adora dizer um “não”, mas não gosta de ouvir um. Já começa a perceber quais comportamentos são aceitáveis e quais não são. Já observam muito bem o olhar crítico dos pais. Estão prontas para aprender que certas ações terão determinadas consequências. Por esse motivo, é muito importante elogiar a criança quando fizer algo construtivo e esperado, e também orientá-la quando não o fizer. São essas medidas que a estimulam, ou não, a realizar certos comportamentos.
Essa transição de bebê para criança representa muitas conquistas. Mas não é fácil. Crescer também significa perder: largar a chupeta, a mamadeira, a fralda, o berço, o colo... E para a mãe, representa ganhar um rapaz ou uma mocinha e perder o bebê... Também é difícil!
Acredito que cada criança dá sinal de que está preparada para as mudanças. Algumas podem estar prontas para largar a fralda com 1 ano e 8 meses, outras só com dois anos e meio. Umas podem largar a chupeta com 6 meses, outras com mais de dois anos. Certas crianças já falam com 1 ano e quatro meses, outras com quase três anos. Sou a favor de respeitar o ritmo de cada um. Nada de sufocar a criança com expectativas e cobranças. Algumas metas precisam ser atingidas, dentro de um prazo mais ou menos esperado, mas sem perder de vista a individualidade!

Fiz uma entrevista com o Henrique para vocês o conhecerem um pouquinho melhor. Com sua “vasta experiência” ele respondeu tudo bem direitinho:

Mamãe: Henrique, quantos anos você tem?
Henrique: A doe (e mostra os cinco dedos).

Mamãe: Você já sabe contar, Henrique?
Henrique: Sim! Um, doe, seis.

Mamãe: Qual é a sua frase preferida?
Henrique: Não, mamãe, não!

Mamãe: O que você diz para agradar sua mãe?
Henrique: TUDO!
Mamãe: Quando pergunto: “Henrique, você comeu?”, mesmo quando ele não comeu, ele responde: “tudo”.
Henrique sorri e faz cara de sapeca.

Mamãe: Qual é o seu lanche preferido?
Henrique: É bicoitim.

Mamãe: Qual é a sua fruta preferida?
Henrique: Qué não, qué bicoitim!

Mamãe: Pensa bem, Henrique, mais nada, maçã, banana, manga, goiaba?
Henrique: Boio e cuicuis (bolo e cuscuz).
Mamãe: Deixa pra lá...

Mamãe: E qual é a sua C – O – M – I – D – A preferida, Henrique?
Henrique: É bicoitim!
Mamãe: Não, gente, ele gosta de bife, arroz, cenoura, beterraba, macarrão e farofa.
Henrique: Farofa-fa!

Mamãe: Quando você está cansado ou com sono gosta de que?
Henrique: Cóio e pê (colo e chupeta).
Mamãe: E de segurar a fralda de pano.

Mamãe: Qual é o seu programa de televisão preferido?
Henrique: Taitai (Hi-5).
Mamãe: Também adora o Mister Maker.

Mamãe: Qual é o seu DVD preferido?
Henrique: Cocó (Galinha Pintadinha).
Mamãe: Ele ama a Galinha Pintadinha até hoje!

Mamãe: O que você gosta de fazer?
Henrique: Esse (mostra o CD “Trem Maluco” do Zélio Ziskind).
Mamãe: Adora ouvir música a qualquer hora. Já escolhe o CD, gosta de ficar trocando os CDs (é esse, não é esse), canta algumas músicas, sabe tirar e colocar o CD e apertar o play para tocar. Quando vamos para a escolinha, sempre escolhe um CD para ouvir no carro e sai com ele na mão. Se eu sair sem levar o CD ele fica muito zangado!

Mamãe: Gosta de fazer mais alguma coisa?
Henrique: A bibi.
Mamãe: Ah, gosta de dirigir o carro!

Mamãe: Gosta da escolinha, filho?
Henrique: Sim! Oba!!!

Mamãe: O que gosta de fazer na escolinha?
Henrique: A mão.
Mamãe: Ah, de desenhar a mão!

Mamãe: Qual é o seu animal preferido?
Henrique: Au-au.

Mamãe: Gosta de escolher as próprias roupas?
Henrique: O papato (só o sapato). Esse não, mamãe, é esse!

Mamãe: Quem é o príncipe da mamãe?
Henrique: A me (eu).

Mamãe: Fale um pouco sobre sua família.
Henrique: Mamãe, papai, vovó, a ota vovó, vovô, didi, pauo (Paulo) e titi.

Mamãe: Você ama todos?
Henrique: Amo!

Mamãe: Agora despede de todo mundo.
Henrique: Tau!

Mamãe: Manda beijos, filho!
Henrique: Amo!
Mamãe: Quando a gente manda ele despedir e mandar beijos, ele sempre diz “amo”.

12 comentários:

Angi disse...

MEU DEUS, QUE É ISSO!
Amei a entrevista, ele vai amar ver isso no futuro!
E muito bom saber mais sobre moçinhos de 2 anos, ai senhor tempo, vê se coopera e passa um pouco mais devagar, por favor!rs
O que la tem q fazer para poder comentar?guria,eu uso o google chrome, e tu?
boa sorte,to torcendo, diz para tua cunhada participar pra ti tb!
bjãoooo em vcs
boa noite

Laura Degani disse...

Ai ai... Estou aqui cheia de lagrimas nos olhos... Voce me mata desse jeito! E esta entrevista linda? Esta gravada? Eu queeeeero! Querido Henrique, a didi ama tanto voce, que as vezes ate doi o peito... Um beijo, meu amor. Feliz aniversario!

Simone disse...

ELe ta demais!! Até dando entrevista!! Vcs estão de parabéns pelo filho lindo, educado e esperto que estão criando! Adorei receber a pipoca dele!! Bjs!

Flávia Casares disse...

Eu A D O R E I a entrevista e sou desde sempre uma fãzoca do Henrique, me ganhou desde o primeiro sorriso.. Lindo! Parabéns a vcs por ele e a vc pelo blog q tá maravilhos.

Futura Mamãe Tati disse...

Nossa!! QUe lindeza de Deus!!! Seus textos são sempre muito legais!! Beijos

Chama a mamãe disse...

Oi Telma,
Meu Deus que graça o Henrique, adorei a entrevista, e realmente amiga, sinto ao mesmo tempo uma alegria imensa de ver a Elô se desenvolver e uma tristeza em querer voltar ao tempo para beijar mais, brincar mais e fazer mais coisas com ela.
Parabéns Henrique!! Vc é um garotinho muito esperto e gatinho
Bjosssss

Fabrisia Garcia disse...

Oi Telma,
Que coisa mais fofa! E esta entrevista, show! Fiquei até imaginando a carinha dele respondendo! Quase um mini-celebridade, rs... Parabéns pelos 2 aninhos!
Bjo
Fabrisia

Conceição Reis disse...

Telma! é difícil falar de uma pessoa amada e encantadora como o Henrique . 2 aninhos, parece que foi ontem que este rapazinho veio ao mundo para nos encher de alegria e emoções. Vcs estão de parabéns pela forma de criar e educar meu querido neto.Realmente tudo que vc relata sobre ele corresponde. Sua primeira entrevista está perfeita , parece que estou presente tamanha a emoção que me encontro.Imagino o dia em que ele possa passar os fins de semana na casa da vovó, quanta alegria eu terei em poder fazer as mesmas coisas que sempre fiz pelos outros netos tão amados quanto ele . As comidinhas especiais,a macarronada da vovó,os docinhos e o rocambole pedido por todos eles . Ve-lo correndo,colhendo frutas no pé e brincando em nossa casa.Henrique, nossa paixão. Parabéns vovó te ama...............

Anônimo disse...

Teeelma!
Jura que o Henrique falou tudo isso?
O português dele está melhor que o do Matheus. Daqui há pouco ele começa a ler Nietzsche, Foucault, Deleuze, Maiakovski e vai filosofar em alemão, francês e russo!
Tina manda beijos!
Diz pra ele que a titi "amo" ele.
(Ele se lembrou de mim mesmo ou você colocou só pra eu não me sentir excluída?)
Fala a verdade, por mais que doa...

Anônimo disse...

Telma, adorei seu post! Eles estao realmente crescendo numa velocidade assustadora! Ah, queria te dizer que essa noite, depois devisitar seu blog, acabei sonhando c vc... Q vc estava gravida! Sei q gerlmente qdo sonhamos c alguem gravida nao eh essa q estah, mas fica ai o registro! Quem sabe nao eh um sinal??? Bjo grande
Adriana (mae do Theo 2 anos - e Luca 27 semanas)

Telma disse...

Oi Adriana, até me assustou esse seu sonho! Sabe, já estou com a mente aberta para o segundo filho, mas não por agora. Vou esperar o Luca nascer e pegar suas dicas (hehehe). Beijao.

Roberta Moraes disse...

kkk... Sinceramente quando vi o título, já imaginei tudo q vc estava sentindo. Fui lendo e me surpreendendo como os sentimentos são os mesmos, e a vontade de ter um outro filho e fazer ainda mais por ele.
Mas ai vem a surpresa! cada criança é diferente... personalidades e tempo para as coisas, como já conversamos várias vezes.
Hoje já acho q exigi muito do meu primeiro filho e não consigo ser diferente, apesar de tentar mudar. Será q ele foi precoce ou eu impus isso? São respostas q não temos... vamos criando tendo a certeza q estamos fazendo o correto (apesar disto não existir) e cada filho faremos de forma diferente, afinal eles são diferentes mesmo.
Ficarei feliz em ver vc esperando o seu segundo... e torço para que seja logo. Quero vê-los crescendo juntos.
Parabéns pela entrevista, vc foi muito criativa e o Henrique sedutor como sempre....
Beijos..