terça-feira, 31 de maio de 2011

Os filhos que nascem do coração


Vinte e cinco (25) de maio é o Dia Nacional da Adoção. A data é comemorada no Brasil há nove anos. Foi na semana passada, mas ainda é tempo de falar sobre esse tema tão importante. No meu trabalho, foi feita uma campanha para conscientizar a todos sobre a importância da adoção. Então, divulgaram a dura estatística aqui do Distrito Federal, onde a maior parte dos 164 meninos e meninas habilitados para ganhar uma família está na faixa etária acima de seis anos. Entretanto, das 343 famílias dispostas a adotar, 94% querem uma criança entre 0 e 2 anos de idade. Ou seja, as esperanças de ambos os lados se perdem, e o problema fica sem solução. Em todo o Brasil, cerca de 4,6 mil crianças aguardam na fila para serem adotadas. O dado é do Cadastro Nacional de Adoção, do Conselho Nacional de Justiça, que também revela o perfil de quem aguarda por uma família.

Inspirada pelo tema, resolvi contar a linda história de amor da minha cunhada, com o consentimento dela é claro. Ela já tinha dois meninos praticamente adultos, filhos de sangue, mas o sonho dela sempre foi ter uma menina. Ela desejava tanto essa menina que sempre tinha sonhos em que Deus tirava uma menina da barriga dela e a dava nos braços.
Pouco tempo atrás, ela tomou a decisão de adotar, e não tinha escolhido o sexo. O marido disse que concordava desde que fosse uma menina para que assim ela pudesse realizar aquele sonho. Foram os dois então para a lista de espera de adotar um bebê do sexo feminino.
Como relatei, adotar um bebê é muito difícil, é o que todo mundo quer. Nunca chegava a vez da minha cunhada... Nessas idas e vindas, ela conheceu Isadora e se apaixonou. Era uma menina linda, doce, esperta e encantadora com três anos de idade. Aí começou a luta para adotar Isadora.
O juiz autorizou o início do processo de adoção, desde que minha cunhada adotasse, também, o irmão da Isadora, o Vitor que estava com 4 anos. Sabiamente, o juiz não queria separar os irmãos.
O coração da minha cunhada foi grande. Ela queria mais um filho, e acabou encontrando espaço para mais dois. A Isadora e o Vitor já estão com 5 e 6 anos, respectivamente. Os dois são a alegria da casa e da família! Posso dizer que não há diferença nenhuma entre eles e os outros filhos. São filhos tão amados como os filhos de sangue. São, também, primos, sobrinhos e netos da mesma forma e tão amados como os demais da família.
Minha cunhada está realizada por ter sua menina, sua companheira na vaidade, nas aulas de balé, nos papos de mulher. Sempre diz que a Isadora é tão parecida com ela que nem parece não ter saído da barriga!
Os olhos brilham quando ela fala da Isadora e do Vitor. Ambos são a razão de viver do casal! Já na maturidade, ela encontrou esse amor tão puro dos filhos do coração e voltou a viver a maternidade com uma alegria que dá gosto de ver.
A Isadora e o Vitor sabem que são filhos do coração e sentem que são amados como os outros. Só que, às vezes, bate aquela curiosidade de criança, e eles começam a perguntar para todo mundo quem é filho da barriga e quem é filho do coração.

Quando falamos em adoção, pensamos que o casal que adota é corajoso e está fazendo uma caridade. Não é assim: o amor e a doação são recíprocos. Assim como o casal beneficia e ama a criança, a criança retribui com mais amor e preenche a vida daquele casal.
Muitas pessoas nunca pensaram seriamente sobre o assunto. Só quando acompanhamos de perto uma história de adoção é que podemos presenciar essa linda relação de afeto, de compromisso, de troca, a construção do amor dos filhos do coração. Para mim a mãe que adota tem o maior coração de todos. Ela faz uma escolha e resolve construir o amor por causa de um sonho, de uma espera, de uma decisão de ser feliz e fazer alguém feliz. Uma história emocionante e linda de viver!

5 comentários:

Angi disse...

Telminha!
Estou a fazer o almoço, e os olhos cheios da agua, e não é cebola!
Guria, tu tinha me contado essa história, é muito linda mesmo!
Que sorte da sua cunhada, e que sorte dos filhos dela!
Porque para mim o que importa é nascer do coração, se for do coração e barriga, ou só do coração, porque o que se vê muito é nascendo da barriga e não tendo o menor coração!
Parabéns a sua cunhada, e parabéns a ti, pois conseguiu botar a história na telinha de uma maneira linda!
BEIJOS
Angi

Angi disse...

Sua linda, vi agora o seu recadinho para Marcella, e se ganhares dará de presente pro Tonico!
valeu,linda!que carinho bom!
beijos

Elaine Redigolo disse...

adorei a postagem....

ARTESANATO BY NANA REIS disse...

Cunhada, obrigada por contar nossa história tão lindamente! Quero registrar aqui que nos sentimos seres muitos privilegiados e escolhdos por Deus, com a oportunidade única de mudar o destino dos nossos filhos. O que nos deixa imensamente felizes é o fato de , apesar de ter sido uma escolha só nossa, nossa família, como você disse, deu a eles irmãos, primos, tios, avós, enfim, todos os laços familiares que uma criança tem direito e os amam verdadeiramente. Em especial a vovó Conceição que, desde o início, derramou muito amor sobre meus filhos. Não é fácil, como não foi fácil com meus outros dois filhos, mas é imensamente prazeroso.
Conto pra eles que um dia estava dormindo e Jesus veio me dizer que eu precisava ir buscar meus filhos Vitor e Isadora que estavam me esperando lá no "abrigo" (assim é que lembram do lugar oinde moravam) e, pra falar a verdade, foi mais ou menos assim mesmo: Jesus tocou meu coração e senti que precisava fazer algo por alguém porque a única coisa que levamos desta vida é o amor que plantamos no coração das pessoas e é este amor que plantamos todos os dias no coração dos nossos pequeninos. Um beijo e, mais uma vez, obrigada.

Natália a mãe disse...

Oiii, enconttrei seu blog no blog da Jana mãe de Guilherme e adorei...
já estou seguindo, se filho é lindo...
beijos